Viagra e pramil: Saiba tudo.
Há vários anos no mercado, o viagra foi criado para outros fins, mas após o consumo a população começou a perceber sua função erétil.
O viagra é vendido nas condições de 25, 50 e 100 miligramas, e o pramil fabricado no Paraguai, é de dosagem única. A fabricação do pramil é uma cópia do sal utilizado no viagra. É vendido de forma irregular para a população brasileira, causando mal para quem o utiliza continuamente podendo gerar casos até de hemodiálise.
O valor do viagra depende de sua dosagem, apresentando um preço mais elevado secundário ao rígido controle de qualidade e impostos combrados, já o pramil é inferior.
Talvez uma comparação grosseira é a de Cds e DVDs piratas. O pramil pode funcionar mas também pode causar danos a sua saúde.
Conheça melhor o sal: O citrato de sildenafila.
O sildenafila foi sintetizada por um grupo de farmacêuticos que trabalhavam nas pesquisas do grupo Pfizer, nos Estados Unidos. Primeiramente foi estudada para o uso em hipertensão (alta pressão sanguínea) e angina (uma forma de doença cardiovascular isquêmica). As primeiras impressões sugeriram que a droga tinha um pequeno efeito sobre a angina, mas que podia induzir fortemente ereções penianas.A Pfizer conseqüentemente decidiu comercializá-la como tratamento para a disfunção erétil, ao invés de tratamento para a angina. A droga foi patenteada em 1996, e aprovada para uso na disfunção erétil pela Food and Drug Administration (FDA) em 27 de Março de 1998, tornando-se a primeira pílula a ser aprovada nos Estados Unidos para o tratamento das disfunções eréteis, sendo oferecida para venda um ano depois. Rapidamente ela se tornou um grande sucesso: as vendas anuais de Viagra no período de 1999–2001 excederam 1 bilhão de dólares.
A imprensa britânica noticiou Peter Dunn e Albert Wood como os inventores da droga, uma afirmação que a Pfizer disputa.
Embora o sildenafila seja disponível somente através de prescrição médica, ela foi anunciada diretamente aos consumidores em comerciais de TV no mundo todo. Diversos sites na Internet oferecem Viagra à venda depois de uma “consulta online”, um simples questionário de Internet.
O Viagra é também conhecido como a “Vitamina V”, “a pílula azul”, assim como outros nomes.
As patentes mundiais pertencentes à Pfizer do citrato de sildenafila vão expirar em 2011–2013. A patente da Pfizer no Reino Unido para uso de inibidores da PDE5 como tratamento da impotência foi invalidada em 2000, devido a motivos óbvios.
No Brasil o Viagra genérico não é comercialmente legalizado. No dia 25 de abril de 2007, a Pfizer obteve uma liminar que impediu a empresa farmacêutica Pharma Nostra de importar, fabricar, usar, comercializar ou oferecer à venda, o composto citrato de sildenafila, princípio ativo do medicamento. A empresa Pharma Nostra, fornecedora de matéria-prima para farmácias de manipulação , foi acusada pela Pfizer de violação dos direitos de patente e de oferecer a medicação em doses superiores (acima de 100 mg) às recomendadas. Neste julgamento, a Pfizer comprovou a titularidade da patente de sua invenção, com vigência no Brasil até 2010, contando assim com a proteção da lei de propriedade industrial .
Parte do processo fisiológico da ereção envolve o sistema nervoso parassimpático causando a liberação de óxido nítrico (NO) no corpo cavernoso do pênis. O NO se liga aos receptores da enzima guanilato ciclase o que resulta em níveis aumentados de guanosina monofosfato cíclico (GMPc), induzindo a musculatura lisa do corpo cavernoso ao relaxamento (causando vasodilatação), resultando num influxo maior de sangue, que é a causa da ereção.
O sildenafila é um potente inibidor seletivo da fosfodiesterase tipo 5 específica do GMPc (PDE5), que é responsável pela degradação do GMPc no corpo cavernoso do pênis. A estrutura molecular do sildenafila é semelhante à do GMPc e atua como um agente competitivo de ligação da PDE5 no corpo cavernoso, resultando em mais GMPc disponível e, graças à vasodilatação que o GMPc disponível gera, ereções melhores. Sem o estímulo sexual, e conseqüentemente deficiência da ativação do sistema NO/GMPc, o sildenafila não causa ereção. Outros medicamentos que funcionam através deste mesmo mecanismo incluem a tadalafila (Cialis®) e a vardenafila (Levitra®).
O sildenafila é metabolizada pelas enzimas hepáticas (do fígado) e excretada pelo fígado e rins. Se administrada em conjunto com uma refeição de alta taxa de gordura, pode haver um atraso na absorção do sildenafila e o efeito máximo pode ser ligeiramente reduzido, já que a concentração do plasma sanguíneo será diminuída.
Assim como todas as drogas prescritas, a dosagem adequada está descrita na receita médica. A dose de sildenafila é de 25 mg a 100 mg e é tomado por via oral uma vez por dia de 30 minutos a 4 horas antes da relação sexual .
Geralmente é recomendado iniciar com uma dosagem de 50 mg e depois diminuir ou aumentar a dosagem conforme o apropriado. A marca viagra de sildenafila geralmente possui uma cobertura rígida em sua pílula o que torna difícil de cortá-la ao meio, mesmo com um cortador de pílulas.
Pílulas de viagra são azuis e possuem uma forma losangular com as palavras “Pfizer” em um dos lados, e “VGR xx” (xx referindo-se ao número “25”, “50” ou “100”, a dose da pílula em miligramas) do outro.
Quando administrado junto com medicamentos que doem óxido nítrico, nitritos e nitratos orgânicos, como a nitroglicerina (trinitrato de glicerina), nitroprussiato de sódio, nitrito de amila Em homens para os quais a relação sexual não é recomendável devido aos fatores de risco cardiovascular Insuficiência hepática severa (função do fígado diminuída) Pessoas que sofreram um AVC recentemente ou ataque cardíaco Desordens retinais degenerativas hereditárias (incluindo desordens genéticas das fosfodiesterases retinais)